Home Notícias Vigilância por vídeo como serviço (VSaaS)

Que aspectos você precisa considerar para decidir se a nuvem é a mais adequada para seu projeto de vigilância por vídeo?

Blog - 5ª-feira, 8 abril, 2021

Embora a possibilidade de hospedar dados em espaços virtualizados e de armazenamento remoto já tenha sido concebida nos anos 60, a aplicação prática deste novo modelo de uso, especialmente no campo da vigilância por vídeo, e sua comercialização a nível profissional é relativamente recente.

Sistema de vigilância por vídeo na nuvem

Novas tecnologias possibilitaram a possibilidade de criar um ambiente onde vídeo e aplicações podem ser armazenados sem a obrigação de possuir uma infra-estrutura para mantê-los.

Atualmente, a nuvem é uma das tendências que mais afetará o setor de segurança eletrônica devido à conectividade e à redução de custos ao minimizar o investimento em equipamentos de hardware e manutenção de sistemas. Mas será a nuvem a opção mais adequada para armazenar imagens de qualquer sistema de vigilância por vídeo?

No artigo a seguir, informamos os aspectos a serem levados em conta para decidir se um sistema de CFTV na nuvem é o mais adequado para sua instalação.

Conexão à Internet.

Logicamente, a infra-estrutura de rede e a conectividade são fundamentais para garantir uma largura de banda com Qualidade de Serviço (QoS) e com uma alta disponibilidade de imagem para evitar a perda do sinal de vídeo para qualquer interrupção da conexão com a Internet.

É de pouca utilidade que o provedor ofereça todas as redundâncias necessárias para garantir o serviço se transferirmos esse elemento de falha para a disponibilidade de nossa conexão à Internet. Uma queda em nossa conexão resultaria na perda de todas as gravações durante toda a duração da queda.

Além da largura de banda, teremos de avaliar se o sistema de vigilância por vídeo incorpora análise de vídeo, uma vez que requerem mais processamento computacional em um local centralizado.

Análise de risco

Vantagens e desvantagens dos sistemas de CFTV em nuvem

Há pouco mais de um mês, um incêndio destruiu alguns servidores da empresa francesa OVHcloud, a maior prestadora de serviços em nuvem da Europa.

Seus clientes, incluindo o governo francês que tem dados nacionais abertos ao público com a OVHcloud, tiveram que ativar seus planos de recuperação de desastres.

As causas da perda de conectividade podem ser múltiplas e incontroláveis e, em qualquer caso, será necessário realizar uma análise de risco para saber o quão crítica é a perda de imagens para nossos clientes e estabelecer um plano de recuperação para as imagens.

Armazenamento

Saber o que queremos transmitir e por quantos dias queremos manter as gravações será uma prioridade para dimensionar as necessidades de armazenamento. Além disso, devemos levar em conta a necessidade de BackUp ou Redundância.

A largura de banda disponível deve ser adaptada às nossas necessidades de gravação, ou seja, ao número de câmeras na instalação e à resolução e enquadramento com os quais pretendemos gravar.

Se assumirmos que as câmeras oferecem o protocolo padrão de compressão mais avançado atualmente disponível (H.265), podemos estar falando de um total de 2Mbps para uma câmera de 2 Megapixels a 25 quadros por segundo.

Se tivermos uma média de 10 câmeras na instalação, precisaremos de um total de 20Mbps garantidos de upload por site, apenas para o circuito fechado de televisão. Se para o mesmo local, considerarmos câmeras analógicas de resolução padrão, conectadas por codificador (H.265) e gravação a 4CIF a 10 quadros por segundo, a taxa de bits por câmera seria de cerca de 700Kbps em média, o que significaria uma largura de banda total de upload de 7Mbps.

Portanto, em um mercado com clara tendência a oferecer cada vez mais resolução em suas câmeras, também é importante avaliar as exigências em termos de largura de banda para validar sua viabilidade em cada região geográfica, bem como o custo envolvido em tal conexão.

Cálculo de custos

Embora seja verdade que a nuvem elimina os custos do equipamento de hardware de armazenamento, é necessário levar em conta certos custos ocultos que não estão incluídos na taxa de assinatura mensal e que são difíceis de quantificar: o custo associado à perda de imagens, penalidades por não cumprimento da legislação atual, o dimensionamento errado do armazenamento necessário e o custo do download de informações que, no caso da vigilância por vídeo, estamos falando de imagens e vídeos de alta definição que envolvem muitos GB / TB de download de dados que podem aumentar o custo exponencialmente.

Infra-estrutura de CFTV existente.

Se a instalação possui atualmente um sistema de CFTV analógico, para aproveitar as vantagens que a nuvem pode nos oferecer, teremos que considerar se fazemos uma migração para a tecnologia IP ou se investimos em codificadores que transmitem sinais de câmeras analógicas existentes.

Proteção de dados e segurança cibernética.

Proteção de dados e segurança cibernética de um sistema de vigilância por vídeo em nuvem

Embora seja verdade que, historicamente, tem havido ataques bem sucedidos a grandes empresas de tecnologia, tais serviços são geralmente muito preparados tecnologicamente para repelir ciberataques.

O que é uma realidade é que o usuário armazena os dados remotamente e deixa de exercer controle direto sobre eles com o risco que isso implica, já que o vídeo é uma informação muito sensível e confidencial.

Em todos os momentos as informações devem viajar com segurança e criptografadas para o que precisamos para ter medidas de segurança cibernética para proteger os dados de nossos clientes (imagens): Firewall, IDS, etc.

Caso valorizemos a opção pelo armazenamento em nuvem pública (Amazon, Microsoft, etc.), devemos estar cientes de que os dados do cliente estão sendo gerenciados por terceiros e, portanto, pode haver problemas legais associados à propriedade das imagens e há uma dependência de fatores incontroláveis: conexão, armazenamento, segurança do terceiro, etc.

Especificamente, o fornecedor de IaaS (Infraestrutura como Serviço) deve tomar as medidas necessárias para promover a correta aplicação do GDPR (Regulamento Geral de Proteção de Dados), pois eles são responsáveis pelo armazenamento das imagens que registramos.

No início de março de 2021, um grupo de hackers acessou imagens de mais de 150.000 câmeras de vigilância por clientes da Verkada, uma empresa que vende câmeras de segurança que os clientes podem acessar e gerenciar através da rede.

O ciberataque expôs a segurança de hospitais, prisões e até mesmo das fábricas de Tesla, o fabricante de automóveis. Isto não teria acontecido na rede privada local de um cliente com uma VPN bem segura.

Integração

No caso de ter outros sistemas de intrusão, acesso, etc., será necessário considerar levá-los para a nuvem para que possam interagir com os sistemas de vídeo, sem mencionar os problemas de integração com outros elementos de segurança que podem ser encontrados fisicamente na instalação.

A nuvem sem dúvida oferece muitas vantagens em termos de conectividade e custos, mas será necessário conhecer as necessidades de cada instalação para descobrir se o Cloud Computing é a solução mais apropriada para armazenar suas imagens.

Mais informações

Retornar ao índice de atualidade

 

© 2021 Scati Labs, S.A. Parque Empresarial PLAZA - 50197 Saragoça (Espanha)
info@scati.com - Tel +34 976 466 575 Mapa Web - Aviso legal - Política de privacidade - Cookies.